Cissa Fleming

A collection of thoughts… or a list of lists?!

You are currently browsing the Untranslatable category.

Minhas Mulheres e Meus Homens, de Mario Prata

Li esse livro já muito tempo atrás. O autor (Mario Prata) conta uma historia sobre cada pessoas que havia no caderno de enderecos/telefones dele. Ele colocou “hyperlinks” de forma que quando uma historia mencionava uma outra pessoa tambem listada, apontava o numero da pagina em que a historia daquela outra pessoa estava. 

O autor explicava que o livro poderia ser lido na ordem em que estava (alfabetica), ou nao, mas nao lembro se tinha a opcao de leitura cronologica… 

 

Acho que vou copiar a ideia. Minha memoria esta ficando fraca, é melhor comecar a escrever o que eu lembro dos amigos e conhecidos agora antes que esqueca tudo de vez! 

Posted 8 years, 4 months ago.

Add a comment

Memorabília

 

 

O que um tubo de cola, pacotinhos de Tylenol, creme para as mãos e clips de papel tem em comum?

Esses itens estavam numa caixa promocional do Office Depot, com uma etiqueta: organize-se!

 

É o que tenho feito nos últimos 5 anos. Tudo começou quando comecei a limpar a garagem da minha primeira casa em Atlanta. Eu ainda tinha caixas que nunca foram abertas desde minha mudança para os EUA, cinco anos antes! Com certeza o que eu não precisei nos últimos 5 anos, não vou precisar mais, certo?! Talvez… 

 

E é esse “talvez” que estraga todo o senso de organização. E se eu precisar disto depois? E se eu voltar a este velho projeto? E se eu finalmente começar a fazer isto? 

 

E se…” é o maior inimigo de quem está organizando a casa, e por que não dizer, a vida! Da mesma forma como “eu tenho que“  quer mesmo é dizer “decidi que me sinto obrigado mas na realidade não tenho a minima vontade de”, “e se…” significa falta de foco. Como o Paul diz, até você decidir em que direção quer ir você tem 360 graus de opções: ao inves de ficar parado escolhendo, decida uma e comece a caminhar, mesmo que no meio do caminho voce mude de idéia, pelo menos ja saiu do ponto onde começou! 

 

E assim, minha garagem ficou limpa! 

 

Quando mudei para minha segunda casa, aproveitei para “escollher” somente aquilo que queria mesmo manter, mas na última hora empacotei muitas coisas rapidamente para poder dar espaço para uma amiga que estava se mudando para aquela casa. Resultado: acabei tendo umas caixas extras de “memorabilias” na garagem da minha nova casa – que, agora, era dupla, ou seja, o dobro de espaço para acumular bagunça! 

 

E assim ficou até eu casar. Mudei para a casa onde meu marido já morava, e que estava abarrotada de móveis e coisas em geral, não tinha espaço nem para minhas roupas! Ótimo! Um incentivo a mais para selecionar o que for mesmo necessaário e discartar o excesso. Mas ficaram caixas na minha garagem-dupla…

 

Meu marido é pior do que eu em termos de manter memorabília, e, descobri que é de familia (chego na historia da familia, eventualmente). Havia 4 cômodos na casa cheios de caixas da última mudança dele – 3 anos antes, e 4 storages abarrotados. 

 

Para ter espaço para minhas coisas, comecei a arrumar as dele. Muitas das caixas nos storages eram de livros, mas há um sistema fantástico no Mac para administrar bibliotecas (chamado Delicious Library). Comecei a cadastrar os livros. Mais de  3 mil, e ainda assim porque decidi deixar os paperback para depois. 

 

Comemoramos o dia que vagamos o último dos quatro storages, mas, confesso, muitas caixas foram apenas movidas de lá para a nossa garagem. Nessa época aluguei a casa onde morava, e as caixas que tinha deixado lá se uniram  às que vieram do storage, num casamento perfeito! 

 

Uma das nossas resoluções de ano novo para 2006 foi mudar para uma casa menor e que desse menos trabalho. Ok, vamos comecar a empacotar tudo para a mudança! Desta vez os livros serão mais fáceis, dado que estão cadastrados, mas vamos aproveitar a oportunidade para organizá-los melhor, certo?! 

 

Quanto trabalho!!! No final tive que pedir ajuda para as amigas, que numa noitada de pizza e vinho (mais vinho do que pizza!) empacotaram umas 50 caixas. Para colocar a casa no mercado tivemos que “abrir espaço” na casa, e mudamos muitos móveis e caixas para a garagem da minha cunhada. 

 

Mudamos para nossa nova casa, metade do tamanho da anterior mas mesmo assim mutio grande só para nós dois, os gatos e os livros. Desta vez achei que tinha aprendido, e jurei para mim mesma que só entrava na casa aquilo que tínhamos decidido manter, e que a garagem teria apenas ferramentas, carros, e cadeiras de praia! 

 

Acho que durou uns 2 meses. Daí comecamos a trazer coisas que estavam na garagem da minha cunhada, e quando vendemos a outra casa, tudo o que tinha sobrado na garagem de lá…  

 

Caos! 

Mas meus livros de cabeceira continuavam sendo sobre “de-cluttering”. Uma caixa de cada vez, e seguindo a idéia que tudo que não tem uso hoje e não tem previsão de uso no próximo mes, tem que ser passado adiante! 

 

Nessa época minha mãe mudou de cidade, e eu fui esvaziar o apartamento dela em Campinas. Pude aplicar todos os meus conceitos de arrumação e organização, e tudo que já tinha aprendido. Resultado: caixas e caixas foram para a garagem do meu pai, em outra cidade!

 

Em Atlanta finalmente conseguimos acomodar todos os livros (hardcover)  em casa. Para isso passamos finais de semana montando estantes, movendo livros, abrindo espaço da garagem. Mas mantivemos as caixas vazias, sem ter certeza bem por que, mas imaginando que minha sogra iria mudar para a casa da minha cunhada, ou para algum outro lugar, e precisaríamos de caixas, certo?!

 

Infelizmente o pior aconteceu: minha sogra faleceu. Muita tristeza, mas de certa forma alívio por saber que ela nao teria uma  vida de privações: ja não estava dirigindo há 2 anos, não podia subir/descer escadas, mal podia andar sozinha. 

 

E então, tivemos que comecar a organizar e limpar a casa dela. Foram trinta e tantos anos morando na mesma casa, e, como eu disse, esse hábito do meu marido de manter tudo é genético. Estamos tirando tudo da casa para poder vendê-la, e enquanto não decidimos o que fazer com as coisas, caixas estão se amontoando novamente na nossa garagem e na garagem da minha cunhada (que nunca ficou completamente vazia das nossas coisas). Muitos móveis que era da minha sogra também vieram para cá, o que fez a decoração da casa ficar meio “mista”.. 

 

Mas o que tem nessas caixas?

 

Ontem passei algumas horas na nossa garagem só fazendo um levantamento. Que vieram da minha sogra eram caixas com prataria, porcelanas, materiais de escritório, produtos farmacêuticos, livros, fotos, porta-retratos, utensílios de cozinha, mais álbuns de fotos, souvenirs de viagens pelo mundo todo, quadros, jogos, jóias (?) e bijouterias (misturadas, claro!), roupas, lâmpadas e baterias…

 

Que já estavam aqui eram caixas de cabos, telefones, impressoras, acessórios de computador, produtos para carro, tarps (como se traduz tarp em português? lona?), livros (paperbacks), livros (duplicados), artigos para festas, artigos para artesanato, artigos para Natal (ah! na casa da minha sogra ainda tem umas 20 caixas só com coisas de Natal), ferramentas, lámpadas e baterias, …

——————————————–
Escrevi esse texto em outubro de 2008. A casa da minha sogra foi totalmente esvaziada e vendida. Ainda temos caixas na garagem da minha cunhada e na nossa garagem, muitas delas eu não tenho a mínima idéia o que tem dentro. 
É grande a tentação de deixá-las quietinhas lá até minha próxima mudança…

Posted 8 years, 4 months ago.

Add a comment